11. 99887-4162

A Energia Solar

O Sol é a fonte mais poderosa de energia para nosso planeta!

Anualmente, a superfície da Terra recebe aproximadamente 1.500.000.000.000.000 MWH de energia solar, valor 10.000 vezes superior ao consumo mundial anual de energia elétrica.

A Energia solar pode ser então definida como a energia proveniente dos raios solares, podendo ser categorizada em dois tipos, a energia solar térmica e a energia solar fotovoltaica.

Energia Solar Térmica:

A Energia Solar térmica consiste no aproveitamento da energia dos raios solares no aquecimento de fluídos, transformando a energia luminosa em energia térmica, esta por sua vez poderá tanto ser utilizada diretamente em processos térmicos ou sofrer uma 2º transformação através da utilização do vapor aquecido deste fluído para a movimentação de turbinas e a produção de eletricidade.

Exemplos abaixo:

Exemplo de sistema solar térmico residencialUtilização para aquecimento de água
Exemplo de usina solar térmicaProdução de energia através do aquecimento de fluidos

Energia Solar Fotovoltaica:

A energia solar fotovoltaica é gerada através da captação dos raios solares por células sensíveis aos fotons de luz (célula fotovoltaica), quando esta célula é exposta a luminosidade ela produz eletricidade, esta energia pode ser utilizada diretamente como fonte de energia para consumo elétrico.

Apesar do grande potencial energético da energia solar, o custo e a eficiência das células fotovoltaicas era muito alto no passado, inviabilizando o consumo em larga escala e a utilização em sistemas residenciais.

Somente nos últimos anos a humanidade priorizou a busca por soluções de captação, transformação e utilização dos raios solares em energia elétrica. A evolução dos processos de purificação do silício bem como o ganho de escala na comercialização de células fotovoltaicas auxiliaram no barateamento desta tecnologia para os padrões atuais de custo por wp (Watt-pico).

Tipos de Sistemas Fotovoltaicos:

Genericamente, existem 2 tipos de sistemas fotovoltaicos:

Sistemas off grid ou autônomos:

São sistemas de produção de energia fotovoltaica não conectados a rede elétrica de energia, na maior parte dos casos, necessitam de uma ou várias baterias para armazenar a energia produzida durante períodos de incidência solar para utilização em períodos sem a disponibilidade solar.

1 – Painel fotovoltaico: Conjunto de módulos fotovoltaicos responsáveis pela transformação dos raios solares em energia DC (corrente contínua).

2 – Inversor DC – AC: Equipamento responsável pela conversão da energia DC em AC (corrente alternada, a mesma de nossas tomadas), alimentando circuitos específicos ou até a própria residência.

3 – Controlador de Carga: Responsável pelo controle da tensão e corrente para o processo de carga e recarga das baterias.

4 – Banco de Baterias: Conjunto de baterias responsáveis pelo armazenamento da energia produzida pelo painel fotovoltaico durante o dia.

Este tipo de sistemas é mais indicado para locais distantes da rede pública de energia, pois o banco de baterias além de ter um alto valor para aquisição, ainda possui vida útil bem inferior ao restante dos componentes, aumentando o custo de manutenção deste sistema.

Não podemos nos esquecer também que a maior parte das baterias vendidas para este tipo de sistema possuem chumbo em sua composição, fazendo com que o fornecedor tenha o compromisso de dar o descarte apropriado deste componente após o fim da sua vida útil.

Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede:

São sistemas de produção de energia fotovoltaica conectados a rede elétrica de energia, funcionam em paralelo com a mesma e seu objetivo é produzir energia elétrica e disponibilizar o excedente de energia para a concessionária. Estes sistemas foram permitidos no Brasil após a oficialização da resolução 482, que criou regras para a conexão de Microgeradores e Minigeradores à rede pública de energia.

Estes sistemas não necessitam de baterias pois a energia produzida é enviada diretamente para o quadro geral do cliente em paralelo com a rede, caso haja um excedente na produção de energia pelo sistema fotovoltaico, esta energia que sobra vai para a rede pública para ser consumida por outro cliente da rede.

O relógio medidor bidirecional da concessionaria (a ser instalado após aprovação da instalação e homologação do contrato de relacionamento entre as partes), registra tanto o consumo quanto a produção de energia da residência, e o cliente somente pagará a diferença entre consumo elétrico e produção, mais impostos e taxas de conexão.

1 – Painel fotovoltaico: Conjunto de módulos fotovoltaicos responsáveis pela transformação dos raios solares em energia DC (corrente contínua).

2 – Inversor Grid Tie: Equipamento responsável pela conversão da energia continua oriunda do painel fotovoltaico em energia alternada, este equipamento controla as características da energia AC produzida em função da energia AC da rede. O mesmo possui proteções contra ilhamento, impossibilitando o sistema de funcionar em caso de queda da energia da rede pública.

3 – Relógio Bidirecional: Relógio de energia a ser fornecido pela concessionária, o qual registra tanto o consumo quanto a produção de energia no período, e emite o faturamento em função da diferença destas 2 variáveis.

Este tipo de sistema esta em franca expansão, pois possibilita a todos os consumidores de energia conectados à rede pública (e que tenham uma área disponível para instalação), a implantação desta solução como forma de reduzir as despesas com energia elétrica durante a vida útil do sistema, que é superior a 25 anos!!

Por não necessitar de baterias e nem de peças móveis, a operação e manutenção do sistema possui um custo irrisório comparado a produção de energia durante sua vida útil, tornando-se assim um investimento seguro e muito rentável ao cliente final.

Exemplo:

O Sr. João Silva possui uma propriedade localizada na cidade de São Paulo, esta propriedade tem um consumo de energia médio de 700kWh/mês, gerando uma despesa média mensal em torno de R$ 500,00.

Cansado de pagar tanto pela energia que consumia, e sem saber para quanto a mesma iria subir nos próximos anos, entrou em contato com a EAS Solar para auxiliar-lhe com uma solução para reduzir as despesas energéticas.

Após análise da conta de energia bem como do local a instalar o sistema, a equipe da EAS Solar dimensionou uma solução fotovoltaica conectada à rede, esta solução funcionará em paralelo com a concessionária de energia, tornando o Sr. João Silva um Consumidor/Produtor de energia:

Durante o dia, o sistema fotovoltaico produzirá energia para a residência, caso o consumo de energia seja menor do que a produção, o excedente vai para a rede pública de energia, sendo registrado como “autoprodução”.

Durante a noite ou períodos muito nublados, o sistema não produzirá energia, a residência consumirá energia diretamente da rede pública, esta por sua vez sera registrada como “consumo”.

No final do período de medição, a concessionária fara o cálculo da energia consumida subtraindo deste o total de energia produzida no mesmo período, o cliente pagará a diferença em kwh mais impostos e tributos.

Caso esta energia produzida seja superior ao consumo, o cliente pagará apenas o TUSD mínimo (30kwh, 50kwh ou 100kwh dependendo do tipo de conexão da residência: monofásico, bifásico ou trifásico). Quando a energia produzida é maior que a consumida, esta diferença se transforma em créditos para a próxima conta, este crédito poderá ser utilizado em até 60 meses.

Após a instalação do sistema e substituição do medidor pela concessionária, o Sr. João Silva reduzirá o custo médio mensal de energia de R$ 500,00 para aproximadamente R$ 40,00 por mês.

Então, preparado para realizar um investimento seguro, com retorno garantido e totalmente sustentável?

Consulte-nos clicando aqui!